domingo, 11 de outubro de 2009

Sou divorciado, posso ser Pastor ?

10 motivos para a resposta NÃO !!!!

.

1. Ele não é exemplo dos fiéis.

Em 1 Tm 4:12, Paulo exorta ao pastor Timóteo para que seja "...o exemplo dos fiéis..." O homem que está no segundo, e em até alguns casos, terceiro ou mais casamentos, não pode ser exemplo dos fiéis, por não ser esta a vontade de Deus para o seu povo: Ele odeia o divórcio (Mal 2:16). Os jovens de tal igreja estariam automaticamente, levantando a possibilidade de o seus futuros casamentos, se não derem certo "como o do pastor", o divórcio seria uma opção e ainda Deus os estaria ainda abençoando após algumas "tribulações..." Desastroso exemplo seria também para os que entrarão ou já estão no ministério pastoral. O cristianismo verdadeiro não segue o lema de "faça o que eu digo mas não faça o que eu faço". Paulo disse "sede meus imitadores como eu sou de Cristo"( 1Cor 3:15). O ministério pastoral não é para qualquer um, mas para os que tem condições morais de dar exemplo ( Heb. 13:7).

2. Ele não é irrepreensível.

Em 1 Tm 3:2 temos as qualificações para o pastor: " Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível..." A palavra traduzida por irrepreensível usada no texto acima é no grego "anepleptos". Ela aparece 3 vezes no Novo Testamento, a saber: 1 Tim 3:2, 5:7 e 6:14. O significado é sempre o de alguém de quem não se pode falar nada contra, sem mancha, sem culpa inacusável. Independente ser ou não o causador do divórcio ( se é que existe tal condição ), o homem que passou por esta experiência não se encaixa nas exigências bíblicas e será usado pelo Diabo para escandalizar e envergonhar o evangelho. Existe "pastor" que se casou em rebeldia contra os conselhos dos pais, de amigos e até de seus pastores atraindo as maldições do Senhor. Tal flagrante violação da vontade de Deus, tornou tal crente o único responsável pela falência do seu próprio casamento, desqualificando-o de uma vez por todas, para o exercício do pastorado.

3. Ele não é marido de uma mulher.

"Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher... " (1Tim 3:2). A expressão "marido de uma mulher" significa muito mais do que o leitor superficial possa imaginar. O ensino é que a mulher com quem o bispo é casado, é a sua primeira e única! Não tem nada a ver com a condenação de relacionamentos simultâneos, o que seria adultério. A condenação da poligamia seria um absurdo tão redundante e flagrante que Paulo não precisaria se referir para uma pessoa especial como o bispo. O que está em jogo é a conduta ilibada e irrepreensível do pastor no seu relacionamento singular com a sua primeira esposa. Veja o verso afim em 1 Tim 5:9. "...e só a que tenha sido mulher de um só marido." É óbvio que a viúva a que Paulo se refere, só poderia receber auxílio da igreja se tivesse vivido com um só homem. Por estar ele morto não haveria outro. Esta é a mesma construção gramatical que se refere a situação do pastor, apenas invertendo-se os substantivos. A ênfase em 1 Tim 3:1 sobre a vida conjugal do pastor é tão flagrante, que a mesma palavra que é usada para expressar a unicidade da mulher da sua vida, é usada também em todas as vezes no Novo Testamento para expressar que marido e mulher se tornam uma só carne. O homem que se divorcia e se casa com outra mulher não reverte o se tornar uma só carne com a primeira, portanto ele não é mais marido de uma só mulher nem na singularidade nem na ordem numeral. Se voltasse para a primeira mulher cessaria o adultério, mas a desqualificação está selada para sempre.

4. Ele não tem autoridade para exortar nem aconselhar.

Certo pastor, que estava no segundo casamento, teve a audácia de, ao pregar numa determinada igreja, mencionar a sua indignação ao se deparar com colegas que estavam no segundo casamento...Tal falta de honestidade e coerência nos faz lembrar a advertência do Mestre que disse "Ou como dirás ao teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho; estando uma trave no teu" ( Mat 7:5 ). O divorciado não pode pregar numa igreja como pastor, muito menos aconselhar os casais crentes sobre família, porque a sua não é mais exemplo. Se tentar aconselhar estará sendo hipócrita, se não aconselhar estará sendo omisso com o ministério mutilado. Não tem jeito, o cristianismo não funciona segundo palavras vazias, mas com exemplo de vida. Mesmo que o homem não tenha se casado novamente, a situação de separação da primeira esposa já o desqualifica para o pastorado.

5. Ele contradiz a própria palavra que prega por exercer, em rebeldia, uma posição para a qual Deus não o permitiu nem o chamou.

Quando o pastor sobe ao púlpito para pregar, ele não pode expressar as suas opiniões. Ele tem que entregar uma mensagem que não é a sua. Ele tem que pregar a Palavra de Deus em obediência a Cristo. Se o pregador está em rebeldia no seu viver, ele está desqualificado para pregar. Suas palavras são vazias e sem unção. Não importa o que a igreja pense, o tamanho da congregação, ou quantas conversões acontecem: o seu líder nessas condições está sem a bênção do Senhor, não importando os "sinais externos": os resultados não autenticam a fonte (1Cor 3:13-15).

6. Ele seria um desastre espiritual a médio e longo prazo para a igreja imatura que o aceitar.

Não se pode colocar o pecado em compartimentos. Quando ele entra na igreja sob a forma de omissão e rebeldia contra a palavra de Deus, qual fermento se espalha para vários outros setores. Com o pecado não se brinca. A tendência do homem é o pecado, principalmente na área de família e sexo. Na igreja isto também se verifica. Se a liderança não tem os padrões de Deus, a degeneração dos crentes é certa. Os líderes cristãos não podem ser egoístas, buscando seus interesses a curto prazo nem status de liderança para encobrir pecados pessoais. Se os padrões são decadentes, pode esperar que os crentes que se desenvolveram dentro do ambiente de tolerância com o pecado serão cada vez mais decadentes, frios e finalmente apóstatas. Veja as advertências do Senhor às 7 igrejas do Apocalipse. A igreja local muito menos ordem de pastores não têm autoridade para aceitar um pastor divorciado. Eles estariam em rebeldia contra a palavra de Deus, independente do número de votos que homologou a aceitação. Os crentes sérios que porventura pertençam a tal igreja deveriam imediatamente se retirar dela, recusando submeter-se a um líder desqualificado e não aprovado por Deus. O voto da maioria nesse caso não opera a vontade de Deus (Ex.23:2).

7. Ele desonra o gesto nobre de ex-pastores que abandonaram o ministério por fracassarem no casamento.
Há diversos casos de pastores que, apesar de terem o chamado de Deus para o ministério, tiveram a dignidade e a nobreza de abandoná-lo após se desqualificarem devido ao divórcio, separação ou conduta. Quando alguém insiste em permanecer no ministério nessas condições está desonrando a Deus e a esses homens dignos que entenderam que não era mais a vontade de Deus a sua liderança sobre o Seu povo. Quando alguém assim permanece no ministério, na verdade está se julgando muito importante e indispensável para o trabalho de Deus (Luc. 17:10).

8. Ele destruiu o modelo de compromisso eterno e indissolúvel entre Cristo e a igreja.

O relacionamento eterno entre Cristo e os salvos, é comparado com o do marido e esposa cujo compromisso não é para ser quebrado (Ef. 5:22-33).

9. Ele não pode celebrar nenhum casamento.

Até que a morte os separe (Rom. 7:2-4, 1Cor 7:39) ? Como pode um pastor proferir os votos conjugais para um casal de noivos , se ele mesmo não cumpriu na sua vida?

10. Ele está contribuindo para a degeneração dos padrões familiares das gerações seguintes.

Se pastores, tendo suas famílias dentro dos padrões bíblicos, já sofrem com a desintegração de várias famílias da membrezia, imagine se do púlpito vem o péssimo exemplo do fracasso conjugal. Nesse caso os fundamentos da família estão abalados para as gerações seguintes (Sal. 11:3).

Conclusão

O divórcio é uma ameaça para a família cristã. As sua conseqüências são devastadoras para a família. Por esse motivo "...o Senhor Deus de Israel diz que aborrece o repúdio..." (Mal 2:16). O homem que foi chamado para anunciar a palavra de Deus como pastor não pode ser divorciado, muito menos casado pela segunda vez. Se alguém está nessa triste situação deve ter a humildade suficiente de abandonar o ministério urgentemente para não causar mais prejuízos ao testemunho do evangelho e procurar exercer os seus dons fora da liderança da igreja, pois o seu chamado acabou tão logo tenha ocorrido a desqualificação. Para os crentes que desfrutam a bênção de ter o seu casamento dentro da vontade de Deus, fica o alerta para, humildemente, reconhecer a graça do Senhor (1Cor. 10:12) e buscar em fervente oração, forças e discernimento para combater as armadilhas do maligno para a destruição da família.
.

14 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Leonardo Macambira,

A Paz do Senhor!

Texto duro, porém realista, sem maquiagem!

Que Deus tenha misericórdia das nossas vidas.

Parabéns!

Um grande abraço!

Pr. Carlos Roberto

Márcia Gizella disse...

Oi Leonardo!!!!!
Graça e Paz!!!
Obrigada pela indicação!!!!!

Abraço fraterno.

Ministério Missões e Avivamento Já - Pregador Wallas Saraiva disse...

muito boa a postagem...hoje, infelizmente, o episcopado (pastorado) não é mais algo divino, que apenas homens santos podem assumir...hoje existem muitos chamados pastores, mas pastores chamados e enviados pelo Senhor são poucos. Até curso em 90 dias para se tornar pastor existe...eis a razão da escassez de verdadeiros homens de Deus; eis a razão da mornidão espiritual existente em nosso país.

Leonardo Macambira disse...

Prezamado Pr.Carlos Roberto

Obrigado por seu comentário, temos que alertar ,orientar, ensinar aos que desejam ter uma liderança realmente instituida por Deus!

Paz !

Leonardo Macambira disse...

Amada Irmã Marcia

Seu blog é uma benção, a indicação foi merecida!

Paz!!!

Leonardo Macambira disse...

Pregador Wallas Saraiva

Obrigado por sua participação e colaboração com seu comentário.Primemos pela indicação Divina, e não por laços humanos de relacionamentos e afinidades.

Paz !!!

kkradio_ativos disse...

facil falar meu amigo mas se um dia vc cair quero ver qual vai ser sua interpretação da biblia .

Cristo, consolo para o cansado disse...

Muito bom!
Existe um lado da Bíblia que é muito sério (pesado), e as vezes brincamos com ela!
Gostamos somente de falar da graça, e isso nos acomoda, nos deixa medíocre em nossa maneira cristã de viver!

Anônimo disse...

A paz irmão, é interessante como somos tão duros e incopassiveis, tenho andado o mundo todo, tenho visto budistas, muçulmanos e seitas que aceitam aqueles que errou com carinho e amor, mas nòs cristãos julgamos e condenamos, queria apenas enfatizar quei existe casos e casos, mas não acredito que Deus pensa desta forma, pois conheço herois pastores que um dia sofreram com o divorcio e Deus os amou, não o tirando do ministerio, pois eles foram sinceros e lutaram com todas as suas forças para não cair ou ate mesmo se divorciar, mas a outra parte (ex-esposa) não queria, o que fazer quando um pastor é vitima de um divorcio? nao estou o criticando, sou estou dizendo que Deus não tirou o reino de Davi, Deus não tirou a herança do filho prodigo, Deus não vai tirar o amor e o chamado de um homem que foi vitima de um divorcio, acredito que o amor ultrapassa tudo!!! a paz

Anônimo disse...

PARTE I

PODE UM HOMEM DIVORCIADO SER PASTOR? (MEU PARECER)
________________________________________
Quando vejo textos tão pobres de discernimento como este, onde mais se vê uma espécie de afronta ao homem natural que galga planos maiores de vida, me pergunto? Será que todas as vidas que estão sendo ganhas por um Homem que foi ungido por um homem de Deus, Homem esse que crê no pleno perdão de Deus sobre tudo que fazemos, será esse homem lançado fora do Reino de Deus, POR CARREGAR um simples "TITULO" de pastor? Serão todos os seus galardões sem efeitos? O mau das pessoas que só sabem acusar e se preocupar com o sucesso em Cristo por parte de homem cheios do Espírito Santo, é que por serem tão vazias e sem tempo, ao invés de estarem pregando, se preocupando em aprender cada dia mais a palavra, ficam vazias interiormente e espiritualmente buscando de alguma forma trazer o foco para si mesmas, saia disso, não se envolva nesse meio medíocre e baixo. Tenho visto sim Pastores que mais procuram por títulos sem o maior cuidado e responsabilidade e habilidade de lidar com vidas, mais servem para se colocarem como homens corretos e não olham para dentro de si mesmos e procurarem corrigir suas falhas. Sou divorciado, casado novamente, fui ungido por um homem de Deus de verdade que tem a marca do Pai, o qual sempre enxergou em mim esse ministério. Minha vida está nas mãos de Cristo Jesus, creio no meu ministério, e Ele Jesus será sempre meu advogado perante todos os que vierem a me criticar. Como não vivo para esses que ao invés de estarem pregando o evangelho e cuidando de suas ovelhas, se importam mais em querer perder tempo se envolvendo em assuntos que não levam a nenhuma edificação do corpo, pulando de igreja em igreja, de pastor para pastor. Tenho visto ao longo do tempo pastores que se envolvem em adultérios, homossexualismo, batem em suas esposas, as tratam mal, discutem entre sim, escândalos financeiros, lideres hipócritas que mais olham para dentro de si e suas contas bancárias, se colocam em púlpitos como verdadeiros homens de moral. Sabe o que tenho a dizer sobre esses: Eu os amo em Cristo, creio no arrependimento de cada um, oro para que se restaurem e prossigam seus ministérios, caso não o façam sabem o seu fim. Pois creio plenamente que Jesus os ama, os perdoa e deseja que caminhem sempre unidos. Como diz Paulo nosso amado irmão: Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.
Quando fui ungido recebi uma palavra e nela irei me firmar hoje e sempre: Ninguém te poderá resistir, todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. Josué 1:5.

Anônimo disse...

PARTE II

O que posso dizer é que busco pregar a palavra, falar desse Deus tremendo, abençoador, maravilhoso o qual é o meu Senhor. Quanto ao homem e suas opiniões entrego a Deus, o que for da parte do Pai será, o que não tiver que for silenciará. Permaneço firme para o que fui chamado, pregando, tempo e fora de tempo e sendo dia a dia experimentado pelo Deus que me ama e deseja que eu o sirva, no mais que cada um cuide de sua vida e de servir ao Senhor, pois o homem não irá de modo algum parar meu ministério que me foi dado pelo meu Senhor Jesus Cristo e não por homens. Glorifico a Deus por não ter que estar a mercê de homens que se acham donos da verdade, enquanto criam fórum, discursões banais que não levam a nada e em nada edificará suas vidas, sigo com um povo que caminha para o alvo, para soberana vocação de Deus em Cristo. Hoje somos um grupo que está crescendo sem precisar de templos mirabolantes, doutrinas de propriedades, ou que tenhamos que estar aos pés de homens para ter cargos em Igrejas. Não queremos saber o que ocorre em igrejas ou com líderes ao nosso redor, apenas oramos, pedimos a Deus que sejam cada vez mais abençoados e cumpram o que Jesus lhes ordenou. Somos um povo que amamos a palavra, amamos as pessoas que estão perdidas, famintas, com sede de justiça por se acharem vazias, necessitando de algo para suas vidas que é o amor de Cristo. Somos um povo preparado a nos dispor por amor ao evangelho, levar salvação onde muitos não desejam sequer pisar. Não precisamos estar preocupados com o que os outros fazem ou deixam de fazer, faça a obra de Deus conforme ele te determinou, e lembre-se ao longo do caminho encontraremos pessoas vindas do nosso meio para atrapalhar nosso ministério e a condução do evangelho. Agradeço a Deus cada vida que me tem sido dada a conhecer e que se arrepende de seus pecados e se rende a Ele nosso único salvador.
A todos vocês que irão ler essa humilde carta, que a graça do pai seja sua vida, sua mente, seu espírito e que Deus abençoe toda sua família e lhe faça um homem que não busque estar se preocupando com o que os outros pensem ou façam, segue tua vida em Cristo, opera da forma que o Espírito lhe ordenar. Abençoe sempre seu irmão e ore por aqueles que um dia caíram, estão caídos e pelos que um dia poderão vir a cair, pois, quem sabe você pode ser um deles amanhã! No amor verdadeiro e imutável da parte de Cristo Jesus, com paz Pregador Maurio Maciel.

Cristian Almeida disse...

Paz do Senhor...

poxa... então o que me resta? sendo que não fui o causador do divorcio? minha vida acabou? porque em toda minha infância desejei ser um padre, e quando na adolescência aceitei a Cristo, meu sonho era ser um pastor... ja participei de todos os ministérios da igreja, desde porteiro até líder de jovens, lider de células e pregador da Palavra de Deus... ao ler este texto, por mais sincero e realista que possa ser, vejo que minha vida acabou... meu Deus, se é assim então porque continuar a viver... estou triste, frustrado e decepcionado...

Leandro Ferraz Serejo disse...

Caro amigo, fico triste ao ver textos como estes incompassíveis e intolerantes como este. Triste a sua interpretação das escritutas, mas triste ainda ver pastor concordando com isso. Este texto é marcado de ódio, rancor, intolerancia, falta de amor. Onde está o amor do Pai? A pergunta é, quando o filho pródigo caiu e se arrependeu, o pai o recolheu como servo ou deu-lhe outra oportunidade como filho? Reflita sobre isso. Pastor não é título é dom e vocação e isso não se perde, ainda que homens, líderes e pastores queiram tirar isso. Que Deus é este que exclui? Esse não é o Jesus que conheço. Reflita nisso e não use o texto da forma errada.

Christiano Marques disse...

Sou Pr há 2o anos, peço à Deus que vc nunca passe pelo sofrimento que eu passei, mas, Deus tenha misericórdia de ti e te ilumine. Cuidado já vi outros como vc, beberem o mesmo vinho que eu bebi e ficaram tão humildes e morosos depois! Pr Christiano Marques
EMAIL pastorchristianomarques@bol.com.br
pastorchristianomarques.blogspot.com